Startup: cresce número de investidores no Brasil

icone calendario15.07.2013 - 08:41

aiec-startup-investimentos

Ter uma ideia inovadora é o primeiro passo para a criação de uma startup. No entanto, muitas empresas não possuem dinheiro suficiente para colocar a ideia em prática. Diferentemente de outras empresas, a startup conta com recursos financeiros limitados, mas promete trazer lucro em curto prazo. Com modelo de negócios escalável e repetível, o diferencial das startups é que essas empresas podem atingir um grande número de clientes, sem que haja um aumento significativo nos custos da empresa.

Mas como surgiram as startups? Em meados dos anos 1990, com a bolha da internet, muitas empresas tiveram alta valorização na bolsa de valores, mas rapidamente viram suas ações despencarem, o que causou perdas significativas ao setor de tecnologia. Assim, surgiu o termo startup, que consiste em uma ideia promissora oriunda de um pequeno grupo de pessoas, com a possibilidade de lucros altos em curto prazo.

Segundo pesquisa realizada no final de 2011 pela rede internacional de contabilidade e consultoria UHY, sediada em Londres, o número de startups no Brasil aumentou em média 7,2% ao ano entre 2006 e 2010, o que representa índice maior do que o registrado na China. Já o número de pessoas que apostaram nas ideias promissoras também cresceu. Levantamento feito pela organização Anjos do Brasil apontou que o número de pessoas físicas que aplicaram recursos em startups no Brasil passou de 5.300 para 6.300. O crescimento representou alta de 18% em comparação a 2011.

De acordo com o estudo, cerca de 80% dos investidores são apenas receptivos, ou seja, aplicam dinheiro apenas quando são procurados por empreendedores. O volume investido pelos empresários também aumentou, passando de R$ 450 milhões para R$ 495 milhões. No entanto, o valor médio investido diminuiu. Hoje, segundo a organização, a média é 7% menor que em 2011, o que representa um valor de R$ 79 mil.

Investimento

Criado com o objetivo de apoiar as empresas nascentes de base tecnológica, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) lançou, no final do ano passado, o Start-Up Brasil. O programa, que tem a finalidade de fortalecer o ecossistema de startups no país, ampliando a competitividade no Brasil e estimulando o desenvolvimento econômico do país, através da inovação na área de Tecnologia da Informação, vai destinar R$ 40 milhões para 150 startups até o fim de 2014.

Para participar do programa, é necessário que a startup seja uma empresa brasileira ou estrangeira, com até três anos de constituição, que desenvolva produtos ou serviços inovadores e utilize software e serviços de TI como parte de sua solução. As startups selecionadas recebem R$ 200 mil cada para contratação de recursos humanos por 12 meses e contam ainda com um programa de aceleração, que oferece serviços como infraestrutura física, assessoria jurídica, capacitações e mentorias. Interessados podem se inscrever pelo site do programa.

 

Fonte: http://startupbrasil.mcti.gov.br