Saiba o que é Inteligência Emocional

icone calendario29.07.2014 - 19:06

Somente as habilidades técnicas não são o que mantêm um profissional estável em seu trabalho. Saber lidar com as pessoas, tomar decisões bem pensadas e administrar suas próprias emoções fazem parte da Inteligência emocional.

 

Você já ouviu falar de Inteligência Emocional? Para esclarecer suas dúvidas, o Blog da AIEC selecionou alguns tópicos importantes sobre o assunto. Assim, você poderá atentar-se a essa questão que é importante para o desenvolvimento da sua carreira. Veja a seguir.

O que é?

Inteligência Emocional é a capacidade de administrar as emoções para alcançar objetivos.

Por que faz diferença em minha carreira?

Saber lidar com os medos e inseguranças, desenvolvendo o autocontrole e equilíbrio, faz com que você tome decisões mais assertivas e cultive um ambiente de trabalho harmonioso e, consequentemente, mais produtivo. Hoje, ao se contratar um novo funcionário,  as habilidades técnicas têm mais peso, porém ao demiti-lo o fator comportamental provavelmente foi o problema.

Quais profissionais precisam desenvolver a Inteligência Emocional?

Carlos Cruz, Coach e Diretor da UP Treinamentos & Consultoria, considera que por se tratar de uma competência comportamental, todos os campos de atuação requerem essa habilidade bem desenvolvida. Contudo, em alguns ofícios essa necessidade é mais latente. Como exemplo podemos citar os cargos de liderança e profissionais das áreas comerciais, pois precisam relacionar-se melhor com as pessoas e também profissionais que lidam com situações extremas, como bombeiros e policiais.

Como desenvolver minha Inteligência Emocional?

Como especialista, Cruz garante que a Inteligência Emocional pode ser desenvolvida. Para seus treinamentos, ele se baseia nos programas desenvolvidos por Daniel Goldman. Veja a seguir, no texto elaborado por Carlos Cruz, que ele considera cinco áreas que devem ser trabalhadas:

  • Eu me conheço: é a área do autoconhecimento, a sinceridade que cada um tem consigo mesmo para avaliar as suas habilidades de maneira verdadeira, abrindo-se para feedbacks, para reconhecer como as suas emoções afetam seu desempenho e a ligação entre o que pensa, sente e sua maneira de agir. Pare alguns minutos antes de enfrentar um desafio que gera tensão emocional e pergunte-se: Qual é a emoção que estou sentindo neste momento? Como eu posso pensar e agir diferente nesta situação?
  • Eu me gerencio: nesta etapa, deve-se buscar trabalhar o autocontrole, que permite à pessoa pensar antes de agir, conseguindo, assim, administrar seus impulsos, para não explodir e depois se arrepender. É importante ter a capacidade de se adaptar às situações para alcançar um objetivo, além de flexibilidade e foco em momentos de pressão. Tenha sempre um objetivo em mente e pense quais seriam os passos para alcançá-lo. Pergunte-se frequentemente: qual comportamento construtivo eu posso ter agora para alcançar meu objetivo?
  • Motivação: os indivíduos têm um propósito, um motivo para agir. Estar pronto para agarrar as oportunidades, superar os obstáculos e aprender com eles para seguir em frente é muito importante. Saiba que o fracasso é um julgamento temporal e trabalhe constante e incessantemente em busca de resultados positivos. Mobilize pessoas para alcançar a realização. Uma pessoa motivada tem iniciativa e persistência. Reflita: suas decisões são motivadas pelo medo de perder ou pela esperança de ganhar? O que você precisa fazer para alcançar seu objetivo?
  • Eu conheço os outros: nesta fase, peço às pessoas que observem  suas equipes e os colegas ao seu redor. É preciso mostrar sensibilidade ao ponto de vista do próximo, buscar maneiras de conquistar a confiança alheia e aumentar o nível de satisfação dos outros. Enxergar as diferenças como oportunidades de desenvolvimento faz toda a diferença. Avalie sua capacidade de se colocar no lugar do outro, de compreendê-lo. Faça uma lista das qualidades, talentos e dificuldades das pessoas ao seu redor. Pense também nas ideias preconcebidas que você tem do seu chefe, clientes e liderados. Essas ideias podem não passar de preconceitos.
  • Eu gerencio os outros: aqui exercitamos a liderança situacional, gerenciamos conflitos, colaboramos, trabalhamos em equipe, construímos alianças e desenvolvemos os outros. Nesta área, pode-se observar a capacidade de lidar com pessoas difíceis. Desafiar o status quo, ou seja, como as coisas são é uma forma de avaliar como você gerencia os outros. Aproveite para refletir sobre algo importante que deseja comunicar e se pergunte: o que é mais importante nesta mensagem para mim? E para os outros? Pense, ainda, se existe uma melhor maneira de dizer o que deseja.

Fonte: Administradores.com, Catho e Exame.com.