Clima organizacional nas empresas: como avaliar e melhorar

O clima organizacional tem sido alvo de extensos estudos nas áreas de administração e de recursos humanos.

Desde que Abraham Maslow publicou “A Theory of Human Motivation”, também conhecida como Pirâmide de Maslow, a comunidade científica parece ter despertado para esse tema.

Hoje, além da clássica pirâmide de necessidades criada por Maslow, há muitos outros modelos e estudos que comprovam a enorme influência do clima sobre o comportamento das pessoas nas empresas.

Já é consenso que um bom ambiente de trabalho exerce impactos positivos sobre o rendimento dos trabalhadores.

Por outro lado, uma empresa que não oferece condições adequadas para seus colaboradores trabalharem e se sentirem satisfeitos tende a obter resultados ruins.

Contudo, nem sempre o que funciona para uma organização dá certo em outra.

É preciso compreender certas nuances e particularidades antes de fazer pesquisas de clima ou usar outros métodos para motivar e engajar.

Sendo assim, queremos te convidar para avançarmos no entendimento do clima organizacional e seus efeitos nos níveis operacional e psicológico.

Acompanhe o artigo até o final, entenda o conceito, sua importância e o que cabe à gestão para melhorar esse aspecto na empresa.

Boa leitura!

clima organizacional

Clima organizacional: o que é?

Clima organizacional pode ser definido como o combo de dimensões usadas para avaliar a percepção que o público interno tem sobre o local de trabalho. Dessa forma, os resultados dessa avaliação permitirá aos gestores de uma empresa definir políticas e tomar decisões.

A motivação no trabalho é o ponto de partida para melhorar a produtividade.

Afinal, trabalhadores que não se engajam com suas tarefas não podem gerar valor para suas empresas.

Por sua vez, a motivação tem relação direta com o ambiente no qual as pessoas estão inseridas.

Ao avaliar a qualidade desse ambiente, a gestão pode conhecer se os colaboradores estão satisfeitos e, em consequência, motivados ou não.

É, portanto, uma ferramenta para evitar problemas como o absenteísmo e a rotatividade.

A propósito, a respeito desse último, uma pesquisa da consultoria Robert Half revela que estamos mal no quesito.

Realizada em 2014, ela apontou um crescimento de 82% do turnover nas empresas, enquanto que, no resto do mundo, a rotatividade cresceu 38%.

Embora seja um estudo feito há 5 anos, há evidências de que o cenário não melhorou muito, a julgar por uma pesquisa da Fecomércio-SP sobre o turnover no setor.

Tudo isso tem relação direta com o clima organizacional, ainda que outros elementos devam ser ponderados.

Além do clima, existe outro fator que influencia na motivação para o trabalho e é até mais complexo de ser mapeado e modificado, a cultura organizacional.

Diferença entre cultura e clima organizacional

Para entender melhor os significados de cultura e o clima organizacional, vale ressaltar as diferenças entre comportamentos e atitudes.

O primeiro diz respeito a formas de ser, pensar e agir conforme valores, experiências passadas e os estímulos recebidos.

Já as atitudes nascem a partir de avaliações que fazemos a respeito de fatos, circunstâncias, pessoas e lugares.

No âmbito da Psicologia, diz-se que atitudes são expressas na forma de comportamentos.

E o que isso tem a ver com cultura e clima organizacional?

Na verdade, o que existe é uma relação análoga entre comportamento/atitude e cultura/clima organizacional.

Tanto é que os comportamentos dos indivíduos em geral definem uma cultura, seja em empresas ou na sociedade.

Assim sendo, cultura organizacional é um conjunto de sistemas, comportamentos e valores que se mantêm relativamente estáveis ao longo do tempo. Por isso, são normalmente mais difíceis de serem modificados.

O clima organizacional já tem a ver com fatores mais circunstanciais e incluem outros de ordem material.

Por exemplo: uma boa remuneração pode mudar o clima, mas não provoca mudanças na cultura de uma empresa.

Ficou clara para você a diferença?

Qual a importância do clima organizacional

Como vimos, o clima organizacional é refletido em uma série de fatores que, somados, levam pessoas a se sentirem mais ou menos motivadas no trabalho.

Sobre isso, uma matéria no Harvard Business Review (em inglês) traz importantes revelações e estudos sobre como o clima organizacional afeta a produtividade.

Em um deles, ficou comprovado que o investimento em iluminação, ventilação e climatização reduziu o absenteísmo em 4 dias ao longo de um ano.

Pode não parecer muito, mas, na pesquisa, foi constatado que a ausência de empregados custa, por hora, US$ 3,6 mil. Imagine, então, o custo de um dia inteiro?

Além de estimular o colaborador, o clima organizacional também é um importante fator para atração de talentos. Essa é a conclusão a que chegou um levantamento da consultoria Gardner.

Nele, ficou comprovado que empregados satisfeitos produzem 16% mais e que 30% deles são mais atraídos pela sua empresa do que pelas concorrentes.

Portanto, não é difícil concluir que o clima organizacional que gera satisfação tem importância fundamental para as empresas, não importa o seu tamanho ou segmento.

Certamente, cada caso pede soluções próprias, mas, no geral, a receita básica vale para todos os negócios.

Clima organizacional e qualidade de vida no trabalho

Não se pode esperar um colaborador motivado quando a satisfação não abrange todos os aspectos de sua vida.

Por isso, as empresas que se preocupam em se manter competitivas investem pesado não só para melhorar o clima organizacional, como a qualidade de vida das pessoas.

Um bom exemplo disso está nesta matéria publicada na revista Época Negócios.

Nela, a vice-presidente Global de Healthcare da MetLife, Leena Johns, conta que os gastos com saúde nas empresas com ambientes estressantes é 50% maior.

Isso já nos mostra o quanto o bem-estar físico e mental estão associados. Portanto, é fundamental que as empresas cuidem de seus colaboradores nesses dois aspectos.

O retorno sobre esse investimento vem não só na redução das despesas com saúde, mas da própria imagem da organização.

Afinal, uma empresa que não cativa seu público interno não será capaz de fazer o mesmo em relação ao externo, concorda?

Logo, quanto mais investir em qualidade de vida, mais motivação para o trabalho será gerada e, em consequência, maior a produtividade e melhores serão os resultados.

Clima organizacional e produtividade

Como vimos, colaboradores satisfeitos são comprovadamente mais produtivos.

A satisfação, por outro lado, surge quando o clima organizacional abrange todos ou pelo menos a maioria dos aspectos mais importantes para criar um estado de bem-estar.

Quer um outro exemplo de como a produtividade tem tudo a ver com a satisfação?

Veja esta pesquisa, desenvolvida pela Future Workplace.

Nela, comprovou-se que fatores físicos e ambientais no trabalho podem levar uma pessoa a perder uma hora por dia de trabalho.

Outra constatação, até certo ponto surpreendente, tem a ver com a qualidade do ar.

Esse quesito, para os entrevistados, é quatro vezes mais importante do que a empresa oferecer facilidades como academias de ginástica e locais para prática de exercícios.

Com tantos números a favor, fica difícil não associar a capacidade produtiva com o clima organizacional, não é?

Motivação e clima organizacional

Por todos os elementos expostos nos tópicos anteriores, fica evidente que motivação e clima organizacional têm uma relação de interdependência.

Se um subir, o outro também sobe, enquanto que uma queda em um significa o declínio do outro.

Contudo, motivação é um fator às vezes complexo de avaliar, porque envolve não apenas aspectos materiais e práticos, mas toda uma subjetividade.

Lembre-se da expressão “o que seria do azul se todos gostassem do amarelo”? Ou seja, a vida seria fácil demais se todo mundo gostasse sempre das mesmas coisas.

Não por acaso, existem tantas pesquisas acadêmicas sobre a motivação, que não raramente é confundida com atração.

Em outras palavras: o que atrai nem sempre motiva e isso se verifica especialmente em questões materiais, como salários e benefícios.

Considerando essa complexidade, é necessária uma abordagem que privilegie a troca de experiências e de impressões por meio de feedbacks constantes.

clima organizacional

Como avaliar o clima organizacional

Já sabemos que colaboradores motivados trabalham mais e melhor e que isso tem relação direta com o bem-estar e o clima percebido na empresa.

No entanto, motivação é algo muito pessoal e o que funciona para estimular um indivíduo pode se revelar totalmente ineficaz com outro.

O que fazer, então?

Para isso, as pesquisas de satisfação são as melhores aliadas do gestor que quer compreender que fatores levam seus trabalhadores a se sentirem realmente motivados.

Assim, você saberá com detalhes o que agrada à maioria, direcionando os investimentos em bem-estar e qualidade de vida com muito mais acerto.

Como fazer pesquisa de clima organizacional

Caso você nunca tenha feito uma pesquisa de clima, uma rápida busca na web bastará para ter acesso a modelos de questionários.

Acesse-os, tome as questões que achar mais relevantes e monte um inquérito sob medida.

O formato mais usual de respostas é a escala Likert, na qual elas são limitadas a cinco possibilidades que vão de muito ruim/fraco a muito bom/forte.

Após fazer uma pesquisa, caso você tenha disponível, vale utilizar um software que forneça parâmetros estatísticos sobre as respostas levantadas.

Claro que isso é tarefa para um especialista, mas, em todo caso, se você quiser avançar no aprendizado, seguem algumas ferramentas – todas gratuitas e disponíveis na web.

Como melhorar o clima organizacional de uma empresa

Independentemente da sua futura pesquisa de satisfação, há medidas que podem ser tomadas desde já e que vão impactar positivamente na motivação.

Lembra o que falamos a respeito da subjetividade?

Então, ao adotar as dicas a seguir, você dará passos seguros em direção ao bem-estar mental de seus colaboradores.

Isso porque, em muitos casos, a falta de motivação tem relação com sentimentos como insegurança, sentir-se pouco valorizado ou que o trabalho não faz diferença.

Veja como eliminar esses verdadeiros inimigos da qualidade de vida no trabalho:

1. Escute seus colaboradores

Comunicação é indispensável na vida e nos negócios.

Gestores que sabem transmitir o que desejam de seus colaboradores são sempre muito mais bem sucedidos do que os que só sabem dar ordens.

Nesse sentido, a postura mais indicada para melhorar o clima organizacional e, em consequência, gerar motivação, é procurar mais ouvir do que falar.

É um princípio mais ou menos parecido com o que se utiliza na psicanálise, no qual a melhora da psique começa com o terapeuta colocando-se como ouvinte atento.

2. Valorize o diálogo

Por outro lado, empresas não são divãs.

Pessoas gostam de ser ouvidas, mas elas também precisam ouvir para saber o que fazer e dar feedbacks.

Dessa forma, além de escutar seus colaboradores, estimule na sua empresa o diálogo construtivo, principalmente na hora de fazer críticas.

Dê o exemplo. Ao alertar para um erro, jamais exponha ou acuse um colaborador, mas aponte com naturalidade para os pontos equivocados e, em seguida, para a melhor solução.

Com o tempo, você perceberá que suas equipes vão replicar essa mesma forma de agir entre si, o que sinalizará que seus esforços estão tendo êxito.

3. Não meça esforços

Falando em esforços, a falta de motivação também surge quando colaboradores percebem que seus líderes não se empenham em melhorar suas condições de trabalho.

Estar à frente de pessoas é uma grande responsabilidade.

Por isso, é dever de um gestor ir o mais longe possível em nome de seus empregados e, por extensão, da sua empresa.

4. Antecipe-se

Você já deve ter lido ou ouvido falar incontáveis vezes sobre o termo “proativo”, não é?

Embora seja até um pouco batido no meio empresarial, não são poucas as pessoas que não colocam em prática esse conceito.

Ser proativo é não esperar algo dar errado (ou certo) para só então decidir o que fazer. Isso seria uma postura reativa o que, nas empresas, é sempre mal vista.

A proatividade tem a ver com uma qualidade fundamental e que faz toda a diferença no clima organizacional: a antecipação.

Portanto, quanto mais você chegar na frente, menos problemas vão surgir e, assim, o ambiente na sua empresa tende a se manter estável.

Gestão e liderança no clima organizacional

Provavelmente, você deve ter associado boa parte do que leu até agora com uma qualidade indispensável em gestores de empresas com bom ambiente: a liderança.

Contudo, líderes não se formam do dia para a noite, tampouco se improvisam.

Nesse ponto, apresentamos o Curso de Formação de Líderes da AIEC, cujos objetivos são:

  • Compreender a influência da experiência pessoal no processo decisório
  • Utilizar a criatividade em situações complexas
  • Desbloquear as principais barreiras à criatividade
  • Considerar o componente emocional no desenvolvimento do trabalho.

Todo o programa pode ser cumprido em até 6 meses, sendo dividido em um total de 18 aulas.

Então, não parece uma ótima oportunidade?

Conclusão

Motivar é, acima de tudo, manter sempre no mais alto nível a disposição das pessoas para o trabalho.

Sim, é uma tarefa complexa, ainda mais quando se considera os diversos obstáculos enfrentados pelas empresas em suas rotinas.

De qualquer forma, sempre se pode melhorar, como vimos neste artigo.

O clima organizacional é decisivo para que uma empresa se mantenha saudável financeiramente e competitiva perante a concorrência.

Invista nessa ideia e os resultados serão sempre os melhores.

Na sua trajetória profissional, conte com os cursos da AIEC – a única faculdade EaD do Brasil com ISO 9001 -, e esteja pronto para todos os desafios do mercado.

Compartilhe este conteúdo em suas redes sociais e deixe um comentário abaixo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *