Cultura organizacional: conceito, exemplos e como definir em uma empresa

Qual é a cultura organizacional da sua empresa? Ou sequer a definiu ainda?

Seja como for, nunca é tarde para pensar a respeito, compreender aonde seu negócio pretende chegar e, principalmente, como isso vai acontecer.

A cultura organizacional diz muito sobre a missão e os valores da companhia.

É, também, uma forma de posicionamento, de mostrar aos públicos interno e externo no que a empresa acredita e como se comporta no mercado.

E não se trata apenas de discurso, mas de ações que repercutem nos resultados alcançados.

Sobre isso, inclusive, vale destacar as descobertas de pesquisadores das universidades de Columbia e Duke, nos Estados Unidos (se desejar, você pode ler a íntegra neste link).

O estudo ouviu 5 mil executivos e 90% deles afirmaram que a cultura organizacional impacta diretamente nos números do negócio.

Por outro lado, na opinião dessas lideranças, ela quase nunca está adequada ao contexto atual.

Apenas 15% consideram os valores defendidos pela empresa coerentes com a realidade apresentada.

Ou seja, a grande maioria acredita que seja necessária uma readequação.

O tema, portanto, é extremamente válido para ser avaliado e debatido.

Por meio deste artigo, aproveite para saber tudo sobre cultura organizacional: conceito, tipos, exemplos e como elaborar na sua empresa.

Boa leitura!

Cultura organizacional: conceito

De maneira objetiva, podemos resumir cultura organizacional como a identidade ou perfil de uma empresa.

Em outras palavras, é o conjunto de normas internas que uma organização segue, os valores nos quais acredita e também a missão defendida por ela.

Ou seja, o que a empresa deseja transmitir para o público, tanto interno quanto externo.

Para facilitar a sua compreensão sobre o conceito, vale recorrer a uma analogia simples.

Na prática, uma organização não é muito diferente de uma pessoa.

Apostamos que você também possui um código de conduta e princípios nos quais acredita.

Pode ser não consumir carne vermelha, comprar apenas alimentos orgânicos, dispensar o carro para andar de transporte público, ser adepto do voluntariado e por aí vai.

São ações que transmitem a sua imagem para as outras pessoas.

O mesmo vale para as empresas.

Por isso, é sempre melhor que haja uma correspondência entre os valores defendidos pela companhia e aquilo que ela pratica de fato, evitando, assim, a incidência de dilemas éticos.

Como exemplo, de nada adianta se dizer sustentável e amiga do meio ambiente se uma determinada marca adota o mau uso de recursos naturais em seus processos produtivos.

Diferença entre cultura organizacional e clima organizacional

Quando a cultura organizacional de uma empresa é analisada, é comum algumas pessoas confundirem o tema com o clima organizacional – conceitos com importantes diferenças.

O segundo, ao contrário do primeiro, é muito mais dinâmico e passível de mudanças frequentes, dependendo de uma combinação de fatores.

O clima organizacional diz respeito ao ambiente corporativo.

Portanto, ele pode estar positivo, mas mudar radicalmente de uma hora para outra, motivado por uma insatisfação momentânea.

É bem distinto do conceito de cultura, que leva tempo para ser consolidado e raramente sofre alteração ao longo dos anos, salvo exceções.

Tipos de cultura organizacional

Com o conceito de cultura organizacional mais claro, podemos avançar um pouco mais no assunto e partir para os diferentes tipos existentes.

O filósofo irlandês Charles Handy, especialista em gestão de empresas, criou um modelo que define quatro perfis distintos de cultura organizacional: cultura do poder, das tarefas, das pessoas e do papel.

Vamos conhecer detalhes sobre cada um deles?

Além dos quatro tipos determinados por Handy, vamos falar também sobre outros três bastante relevantes: cultura de mercado, adaptativa e de adhocracia.

Cultura do Poder

É aquele tipo de cultura mais centralizadora, que fica concentrada na mão de poucas pessoas. Normalmente, as mais poderosas.

Assim, colaboradores de cargos mais baixos não têm outra opção que não seguir cegamente as orientações de seus superiores.

Essa é uma modalidade um tanto quanto ultrapassada.

Organizações mais modernas têm dado cada vez mais autonomia e voz para os seus profissionais, independentemente do nível hierárquico que ocupam.

Cultura das Tarefas

É o tipo de cultura mais focada na conquista de objetivos específicos.

Nela, são formados pequenos times com habilidades afins para resolver problemas e encontrar soluções personalizadas.

Em alguns casos, inclusive, há uma capacitação específica para que as equipes possam contornar todo o tipo de situação.

Cultura de Pessoas

É um tipo de cultura organizacional cuja principal característica é colocar o interesse das pessoas acima de tudo.

Pode parecer utópico até, afinal, qual empresa você conhece que prioriza as ambições individuais em detrimento das coletivas?

Ainda assim, é possível encontrar um meio termo, alinhando interesses e valores, de modo que os colaboradores consigam ter voz ativa e realizem atribuições pelas quais sintam prazer, sendo elas importantes para a realização das metas organizacionais.

Cultura de Papel

Nesta modalidade, cada profissional assume um papel específico, conforme o nível de especialização e as suas competências mais bem desenvolvidas.

Tudo isso com o claro objetivo de extrair o máximo potencial de cada colaborador.

Na prática, ela não se difere muito da cultura de tarefas. A principal diferença é que a liderança muda conforme a composição dos times ou do projeto em questão.

Na cultura de papel, a cada colaborador são delegadas funções e responsabilidades de acordo aquilo que pode oferecer.

Cultura de Mercado

Como o próprio nome sugere, a cultura de mercado foca no resultado final, nos números e no desempenho alcançado.

Além disso, também são levados em conta o contexto atual, as oportunidades, a relação com a concorrência e a busca por diferenciais.

Cultura Adaptativa e Cultura de Adhocracia

Tanto uma como a outra têm ganhado cada vez mais espaço.

Nesses dois modelos, os colaboradores são mais valorizados, e a tomada de decisões, dividida.

E as diferenças entre elas são sutis.

Na cultura adaptativa, o objetivo principal é mais voltado à transformação dos cenários e à busca por uma adequação às necessidades vigentes.

Já a cultura adhocracia foca em soluções criativas e inovadoras.

A importância da cultura organizacional nas empresas

A cultura organizacional deve ser vista como um fio condutor.

Ela ajuda a alinhar um caminho único, facilitando a conquista dos objetivos e aproximando os colaboradores dos reais interesses da empresa.

Ou seja, se a companhia pretende atingir determinado patamar dentro do seu segmento, precisa deixar claro para os públicos interno e externo quais são seus valores e a sua missão nesse mercado.

Existe um jargão no mundo dos negócios que ajuda a explicar bem a importância da cultura organizacional dentro das empresas. Ele diz o seguinte:

“Para um barco andar, todos precisam remar para o mesmo lado. Caso contrário, nunca se chegará ao destino desejado (ou vai demorar muito mais para tal).”

Isto é, todos os agentes de uma empresa precisam estar alinhados e conscientes do que estão fazendo para terem mais chances de ser bem-sucedidos.

E um dos caminhos para isso é ter uma cultura organizacional clara e bem definida.

Qual a relação entre cultura organizacional e liderança?

Todos os agentes têm papel importante na definição e cumprimento da cultura organizacional. Mas, se tivéssemos de escolher uma figura principal na condução do processo, obviamente, seria o líder.

Ele é o principal responsável pela disseminação do conjunto de valores de uma empresa aos colaboradores.

Além disso, são as lideranças que devem motivar a equipe para que continue seguindo os preceitos da companhia.

Isso sem falar que, muitas vezes, são os próprios gestores que definem a cultura organizacional com base em seus interesses e visões.

Tal responsabilidade implica em dar atenção especial à formação de líderes completos, que devem conhecer o conceito e desenvolver as habilidades necessárias para colocá-lo em prática.

Como definir a cultura organizacional de uma empresa

É bem verdade que, em uma empresa, nem sempre as coisas acontecem como seus líderes gostariam.

Então, se você tem dúvidas sobre como definir a cultura organizacional, não deixe de conferir as dicas que separamos para você.

O ideal é que esse projeto seja colocado em prática antes mesmo de abrir as portas da empresa, mas nada impede que o construa com os negócios já em andamento.

O embrião

A cultura organizacional precisa surgir de algum modo e, como bem já dissemos, normalmente, esse embrião nasce junto com os idealizadores do negócio.

Ou seja, elas divulgam suas propostas iniciais e lançam mão dos diferenciais que acreditam que o empreendimento possui – ou deve possuir.

A partir daí, esses valores começam a ser discutidos, alinhados e passados para os demais agentes do processo.

A escolha da equipe

Quando você já tem uma ideia de qual é a sua cultura organizacional, fica mais fácil definir qual o tipo de perfil profissional que deseja contar e quais são as competências que eles devem ter.

Assim, é possível fazer processos seletivos mais precisos e acertar em cheio nos recrutamentos.

Isso sem falar que os colaboradores de hoje podem ser os líderes de amanhã.

Então, todo cuidado é pouco na hora de contratar e atrair talentos.

Os diferenciais

Criar um projeto do zero é muito mais complicado, pois não há muitos parâmetros para se basear.

Por isso, para se estabelecer no mercado, você precisa levar em conta os seus diferenciais, aquilo que pode contar a seu favor e ser uma vantagem competitiva mais à frente.

Logo, na hora de consolidar a sua cultura organizacional, não se esqueça de que as suas singularidades devem aparecer em evidência no seu planejamento estratégico.

A rotina

O que vai fazer com que a cultura seja assimilada é a repetição das ideias até que se tornem um hábito.

Com a rotina de trabalho, aos poucos, os valores defendidos vão se tornando parte integrantes de cada colaborador, refletindo no comportamento diário de todos.

Para aprendermos algo novo, é preciso tempo, mesmo quando já compartilhamos certos saberes.

Por isso, não espere que, de uma hora para outra, as pessoas estejam por dentro dos valores do negócio ou da missão da empresa, nem que consigam colocar tudo em prática de forma instantânea.

Então, é preciso repetir e persistir para perseverar.

O pertencimento

Dificilmente, uma cultura organizacional vai ser assimilada se existe algum conflito claro de interesse por parte de algum colaborador.

Mais do que uma questão profissional, os funcionários precisam comprar a ideia e serem dominados por um sentimento de pertencimento.

É necessário que haja uma relação entre o sucesso do negócio e a realização pessoal para a equação ficar bem balanceada.

Cultura organizacional: exemplos para se inspirar

Algumas das empresas mais famosas e bem-sucedidas do mundo devem boa parte de seus protagonismos à sua cultura organizacional, construída de maneira clara e objetiva.

Conheça agora seis cases de sucesso para você se inspirar!

Cultura organizacional da Coca-cola

Muito mais do que belas campanhas publicitárias (quem não se lembra das propagandas de Natal?), a Coca-Cola tem como um de seus principais valores o respeito à qualidade de vida de seus colaboradores.

Não à toa, a multinacional é reconhecida como uma das companhias que oferece maior flexibilidade aos seus profissionais.

Jornadas de meio turno, períodos mais prolongados de descanso e home-office estão na cartilha da organização.

Cultura organizacional do Google

Outra empresa que investe muito no bem-estar de seus colaboradores é o Google.

A companhia oferece a eles uma infraestrutura diferenciada, com direito a sala de jogos, cantinhos para soneca, refeitório com cardápio balanceado e muito mais.

É dessa forma que a organização demonstra acreditar que os profissionais podem elevar a sua produtividade, além de terem contribuições mais criativas e inovadoras.

Cultura organizacional da Natura

A Natura não tem esse nome por acaso.

Premiada pela Organização das Nações Unidas (ONU) pela sua gestão ecológica e produção sustentável, a empresa brasileira leva a sério as causas ambientais.

E esse é apenas um dos valores incorporados à sua cultura organizacional.

Além disso, a companhia também apóia a educação, ajudando na qualificação de professores e incentivando a docência instrumentalizada.

Cultura organizacional da Apple

Quem valoriza o quadro de funcionários não só economiza no regime de contratação e diminui o índice de turnover, mas, especialmente, aumenta a sua employer branding, que nada mais é do que a reputação da empresa como local para trabalhar.

Isso é algo muito claro na cultura organizacional da Apple, que investe no engajamento e na motivação dos seus funcionários.

A marca da maçã mordida também incentiva o trabalho em equipe, premia a experiência e fornece treinamento especial aos novos contratados.

Cultura organizacional da Nestlé

A cultura organizacional da Nestlé permanece a mesma desde a sua fundação, em 1866.

Com o intuito de resolver o problema de nutrição no mundo, a empresa líder do ramo alimentício tem na qualidade dos seus produtos o principal valor defendido.

Até por isso, o slogan da companhia é: “good food, good life”. Em tradução livre para o português, isso quer dizer “comida boa, vida boa”.

Cultura organizacional da Ambev

Uma das grandes motivações que um profissional pode ter em sua carreira é a perspectiva de crescimento dentro da empresa. E é justamente esse um dos valores pregados pela Ambev.

Com bons salários logo nos cargos iniciantes, além de treinamentos específicos, é possível atingir patamares elevados em pouco tempo na companhia. Claro, tudo isso graças a um rigoroso processo de seleção, que avalia se os candidatos têm o perfil ideal para trabalhar na multinacional de bebidas.

Conclusão

Neste artigo, falamos sobre o conceito de cultura organizacional.

Ao longo do texto, destacamos a sua importância, os principais tipos e também apresentamos exemplos para você definir na sua empresa.

Cultura organizacional, como vimos, tem uma relação direta com liderança.

Por isso, para saber estabelecer o seu conjunto de valores com assertividade, é preciso investir na capacitação de seus gestores.

Nesse sentido, nada melhor do que aliar a praticidade e a qualidade da Associação Internacional de Educação Continuada – AIEC, a única instituição do país com ensino a distância e certificação internacional ISO 9001.

No curso de Formação de Líderes, você aprende a quebrar as barreiras criativas, a motivar a sua equipe e, claro, a pôr em prática a cultura organizacional do seu negócio.

Gostou deste artigo? Então, compartilhe com seus amigos nas suas redes sociais e não se esqueça de deixar um comentário no espaço abaixo sobre o que acabou de ler.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *