Gestão empresarial: o que é, como fazer na empresa e se tornar um gestor

Não importa se você administra uma multinacional ou um pequeno negócio familiar, investir em gestão empresarial será sempre uma necessidade.

Sabe por quê?

Embora a sua empresa tenha potencial e você esteja disposto a dar o seu melhor, sem uma estratégia definida, pode ficar difícil conduzir o seu empreendimento de maneira sustentável.

E, se isso acontece, as chances de conquistar a consolidação no mercado também diminuem.

É verdade que, muitas vezes, por conta da rotina intensa, alguns aspectos acabam deixados para trás.

Além da falta de tempo, a ausência de recursos, geralmente humanos, também prejudica uma atuação mais próxima da ideal.

Mas, ainda se você empreende sozinho, a gestão precisa receber uma atenção extra.

Quando realizada de maneira eficiente, ela ajuda a reduzir custos e a agilizar processos. Sem contar que interfere completamente no crescimento do negócio.

Ou seja, é mais do que, propriamente, uma escolha. É uma obrigação.

Então, agora que você já tem percepção sobre a importância de uma boa gestão empresarial, vamos conhecer mais sobre as práticas relacionadas.

Acompanhe o artigo!

gestao_empresarial

O que é gestão empresarial?

A gestão empresarial pode ser resumida como uma maneira de organizar processos, garantir o controle das finanças, ter uma política eficiente de recursos humanos e um planejamento estratégico que amarre todos esses pontos.

Como não é difícil perceber, trata-se de um conceito amplo, que engloba diferentes áreas.

E, na verdade, o objetivo é justamente esse.

Fazer a gestão de uma empresa significa adotar estratégias e ações que compreendam cada setor da empresa.

Afinal, mesmo que em níveis diferentes, todos eles cumprem papéis importantes para que os resultados possam ser alcançados.

A gestão empresarial, portanto, não é uma opção ou uma característica restrita apenas a grandes corporações.

Ela é, na verdade, uma necessidade de qualquer empreendimento que busca se destacar entre a concorrência e conquistar seu espaço no mercado.

Para que serve a gestão empresarial?

Vamos começar a responder essa pergunta dizendo que conduzir uma empresa ao sucesso não é uma tarefa simples.

Agora, será mais fácil você imaginar o desafio de cumprir essa missão sem análise de custos, planejamento estratégico, metas definidas, colaboradores capacitados e processos bem definidos.

Concorda?

Então, você já sabe para que a serve a gestão empresarial.

É a partir dela que se garante a aplicação das melhores práticas, com um estudo minucioso e constante de todos os ambientes que compõem o negócio.

Como fazer a gestão empresarial: passo a passo

Na maioria dos casos, a dificuldade não é compreender o conceito ou a importância da gestão empresarial.

Na realidade, o principal contratempo consiste em encontrar a maneira certa de executá-la, para que se transforme em algo natural e parte do dia a dia do empreendimento.

Se esse é o seu caso, preste bastante atenção no passo a passo que virá a seguir.

As dicas vão servir para que você possa começar a alinhar as estratégias de gestão empresarial do seu negócio.

E não estamos falando de simples truques ou macetes para que uma empresa decole do dia para a noite.

Trata-se de um processo contínuo de aperfeiçoamento e de aplicação de técnicas e conhecimentos da área de gestão.

Por isso, tenha em mente que, com dedicação e paciência, os resultados vão surgir.

1. Conheça a sua empresa

A maioria dos empreendedores têm consciência de que é fundamental conhecer a própria empresa para tomar qualquer decisão.

No entanto, há aqueles que não colocam essa recomendação em prática.

Mas a verdade é que criar ações na base do “achismo” é um erro grave.

Por isso, é válido estudar a empresa, suas soluções e seus processos para dar um passo importante em direção à profissionalização.

Uma boa forma de começar é entender o cliente, o que ele deseja, qual necessidade busca e de que forma você pode resolvê-la com sua oferta.

Conhecendo o seu público, você será capaz de estruturar a operação para entregar a ele o que precisa, o que pode exigir ajustes no produto ou serviço e até mesmo na formação dos times de trabalho.

2. Preste atenção no mercado

Além de conhecer a sua empresa em detalhes, também é fundamental acompanhar as tendências do mercado e saber o que a concorrência tem oferecido.

Sabe o famoso benchmarking?

Ele não é apenas um termo bonito de gestão para ficar nos livros.

É preciso adotar essa prática como estratégia de gestão empresarial.

Uma forma de se diferenciar e qualificar a oferta ao cliente é justamente identificando os pontos fortes e fracos da concorrência.

Entre erros e acertos daqueles que disputam o mercado com você, certamente, há boas oportunidades para seu negócio.

3. Mantenha seus colaboradores motivados

Há quem se preocupe tanto em reduzir as despesas com recursos humanos que, na verdade, acaba no prejuízo.

Afinal, os funcionários são instrumentos valiosos e indispensáveis para que os resultados pretendidos sejam alcançados.

Por isso, não deixe de investir em processos seletivos de qualidade, na oferta de incentivos de aperfeiçoamento e na construção de um ambiente de trabalho que motive a equipe diariamente.

Direcione seus esforços tanto para a atração quanto para a retenção de talentos e seu melhor aproveitamento na estrutura organizacional.

Acredite, você também vai estará investindo no futuro do seu negócio.

4. Invista em um bom planejamento financeiro

Pegue a caneta, anote a frase a seguir e coloque em um post-it no seu ambiente de trabalho diário para usá-la como mantra: não existe gestão empresarial eficiente sem um bom planejamento financeiro.

Afinal, é ele que norteia todas as possibilidades em termos de investimento, guiando as ações na condução dos negócios.

Tem uma meta a cumprir? Certamente, ela depende das finanças.

Vale para pagar as contas em dia, para comprar máquinas, para expandir a operação e até para encerrar as atividades.

É preciso controlar de perto todas as entradas e saídas. Analisar o fluxo de caixa da empresa e conhecer a sua realidade financeira é o básico.

Com isso, você também consegue estimar a necessidade de corte ou de realocamento de verbas.

Tudo isso, é claro, sempre com base nos dados que os próprios números da empresa oferecem – e com os olhos bem abertos para as tendências apontadas pelo mercado.

Em resumo, se você quer ter um empreendimento lucrativo (e certamente quer), não dá para ficar só no caderninho, retirar dinheiro do caixa sem critério ou fazer novos investimentos sem pensar nas reais possibilidades financeiras.

É preciso assumir seu papel de administrador e planejar.

5. Adote ferramentas de gestão empresarial

Você, provavelmente, já ouviu falar sobre ferramentas como Análise SWOT, Matriz BCG e Business Model Canvas e tantas outras que são indicadas para auxiliar na gestão.

Cada uma delas, com seu propósito específico, ajuda a pensar a empresa a partir de análises direcionadas.

Então, não restam dúvidas de que são importantes.

Mas há um ponto de atenção aqui: você não deve usar uma ferramenta só porque falam bem dela.

Ou seja, conheça cada uma delas, observe a utilidade e aplicabilidade no seu negócio e adote aquela (ou aquelas) que realmente contribua com seus objetivos enquanto empresa.

Então, olhe para suas metas, construa um planejamento estratégico para alcançá-las e verifique como uma boa ferramenta de gestão se encaixa aqui.

6. Elabore um planejamento estratégico

Anotou tudo até aqui?

Cada uma das dicas funciona como uma preparação para elaborar seu planejamento estratégico.

Nele, você deve incluir informações relacionadas ao mercado de atuação, aos objetivos da empresa, às dificuldades envolvidas, aos colaboradores, aos fornecedores e ao público, entre outras.

É o planejamento estratégico que ajudará você a não apenas definir quais metas a sua empresa deseja atingir, mas como alcançá-las e em quanto tempo.

Ou seja, é um norteador de todas as ações que serão tomadas dali em diante. Portanto, quanto mais detalhado, melhor.

Também é importante que esse conjunto de estratégias seja apresentado a todos os envolvidos.

Assim, as equipes podem saber, exatamente, o que é esperado delas.

7. Acompanhe o desempenho

O planejamento estratégico deve vir acompanhado de um plano de ação. Ou seja, aquilo que você vai colocar em prática para que as metas sejam alcançadas.

Mas será que vai dar certo? Só monitorando para saber.

Cada ação precisa ser acompanhada para avaliar se o desempenho esperado se confirma na prática.

Isso significa monitorar os números constantemente e entender o que eles revelam sobre a empresa e as suas ambições para o período que abrange o planejamento estratégico.

E se algo não sair como o planejado? É o que vamos responder no passo seguinte.

8. Esteja pronto para reajustar a rota

Os resultados alcançados em um dado momento não foram exatamente aqueles que você esperava?

Gestão empresarial também significa ter jogo de cintura e competência para ajustar a rota durante o trajeto.

Até por isso que é tão importante que o acompanhamento do desempenho seja um hábito.

Quanto mais cedo você perceber a necessidade de promover ajustes na gestão, menos prejuízos vai registrar em decorrência de um erro, por exemplo.

gestao_empresarial

Sistemas para gestão empresarial: como a tecnologia ajuda o gestor?

Contar com a tecnologia pode facilitar muito a rotina de um negócio.

Não é à toa que os sistemas de gestão empresarial – também conhecidos como Enterprise Resource Planning (ERP) – se fazem cada vez mais presentes, inclusive nas empresas de pequeno porte.

A verdade é que o nível de profissionalização exigido faz com que até mesmo microempreendedores devam se valer de meios para qualificar a gestão.

A principal função desse tipo de tecnologia é conectar as diferentes áreas e processos de um mesmo empreendimento.

Toda essa integração permite que o trabalho seja mais ágil e assertivo.

Você já parou para pensar, por exemplo, que uma única venda é capaz de gerar informações relacionadas ao financeiro, ao administrativo, ao estoque e ao marketing, por exemplo?

Com a automatização, você consegue gerenciar todos esses dados de maneira muito mais simples e inteligente.

É também uma forma de ter controle total sobre a operação, registrando receitas e despesas de maneira fácil e gerando relatórios que vão qualificar a tomada de decisão do gestor.

Como escolher um software para gestão empresarial

A principal dica na escolha de um software de gestão empresarial é adequar a tecnologia à sua realidade.

Afinal, as opções no mercado são muitas – e você não vai querer pagar mais caro por recursos que não se aplicam à sua empresa, certo?

Negócios de menor porte, por exemplo, podem apostar em soluções mais simples e baratas.

E isso não significa que elas sejam menos eficientes. Pelo contrário.

Para tomar sua decisão sobre o melhor ERP para sua empresa, considere os seguintes pontos:

  • Escolha um software que permite realizar o controle financeiro: essa opção facilita a geração de relatórios completos e atualizados, controlando pagamentos e recebimentos, por exemplo
  • Dê preferência a um software de fácil instalação e uso: a interface e a usabilidade são fatores essenciais que podem garantir maior autonomia na hora de gerenciar as informações no sistema
  • Avalie a necessidade de ter um sistema com versão mobile: esse é um ponto importante se o seu negócio é realizado em campo, por exemplo. De toda forma, sistemas disponíveis em celulares e tablets são muito mais práticos, pois permitem acessar as informações a qualquer hora e lugar
  • Analise as garantias de segurança oferecidas pelo sistema: esse aspecto é indiscutível. Por isso, não economize perguntas ao fornecedor e entenda o quão protegido estão as informações da sua empresa
  • Converse com outros gestores que usam softwares iguais ou similares: busque opiniões para entender melhor se experiência oferecida é, de fato, o que você imagina. As indicações podem ajudar você a fazer sua própria escolha.

Tudo sobre a carreira em gestão empresarial

Estar em constante atualização e aperfeiçoamento é imprescindível para o profissional que deseja ter sucesso na gestão empresarial.

Então, seja você um empreendedor, alguém que sonha em iniciar um negócio próprio ou mesmo um profissional que busca se colocar no mercado em um cargo de gestão, acompanhe os próximos tópicos.

Vamos trazer todos os detalhes sobre essa carreira.

Gestão empresarial: curso

Aprender sobre gestão empresarial não depende de um curso específico. Há opções de qualificação em graduação, pós, tecnólogo e de extensão.

Você pode, por exemplo, escolher o bacharelado em Administração.

Sua principal vantagem é oferecer uma formação sólida na área de gestão, com conhecimentos que permitem uma ampla gama de atuações.

No caso da AIEC, por exemplo, o currículo e a metodologia de aprendizado são baseados em programas de administração de instituições de ensino reconhecidas mundialmente, como Harvard e Massachusetts Institute of Technology (MIT).

O que estuda gestão empresarial?

Estudar gestão empresarial, na prática, envolve o aprendizado das seguintes áreas de conhecimento:

  • Marketing
  • Negociação
  • Finanças
  • Contabilidade
  • Gestão de pessoal
  • Macro e microeconomia
  • Planejamento de negócios.

Gestão empresarial: MBA

Para quem já possui formação superior e deseja se especializar, buscando uma atuação mais específica, é possível investir em um Master of Business Administration (MBA).

As opções disponíveis são bem variadas, dependendo de qual é o seu foco.

Enquanto alguns preferem desenvolver suas caraterísticas como líder, outros optam por aprimorar conhecimentos em áreas como finanças, economia, legislação e marketing.

Gestão empresarial: mercado de trabalho

Um profissional com qualificação para atuar na área de gestão empresarial tem as portas abertas para inúmeras vagas.

Como alguém que possui a visão sistêmica desenvolvida e é capaz de analisar cenários complexos, algumas das possibilidades de atuação são:

  • Planejamento
  • Financeiro
  • Produção
  • Auditoria
  • Relacionamento com clientes.

Tudo depende muito da formação profissional, das experiências acumuladas e da área específica de atuação.

Gestão empresarial: salário no segmento

Se o mercado é diverso, com o salário, não é diferente.

Dependendo do tempo de atuação no mercado, do tamanho da empresa e do seu nível de especialização, é possível encontrar oportunidades com ofertas remuneratórias variadas.

De acordo com pesquisa realizada pelo site Trabalha Brasil, portal de vagas de emprego, o salário varia de R$ 2,8 mil (trainee em pequena empresa) a R$ 18 mil (master em grande empresa).

Veja mais alguns números:

  • Júnior em pequena empresa: R$ 3.600,00
  • Júnior em grande empresa: R$ 8.100,00
  • Pleno em média empresa: R$ 7.100,00
  • Master em pequena empresa: R$ 8.000,00.
gestao_empresarial

Os 4 melhores livros de gestão empresarial

Antes de encerrarmos, aqui vai um bônus.

Separamos dicas de livros que precisam fazer parte da sua lista de leituras.

Eles ajudam a compreender todo o universo empreendedor, desde as estratégias de gestão até as transformações de mercado.

Ainda permitem que você tenha contato com as experiências daqueles que também já estiveram no seu lugar um dia.

Vamos à lista?

O Ponto da Virada, de Malcolm Gladwell

Aborda as tendências que se espalham como verdadeiras epidemias.

É a partir daí que são abordados temas como a popularização e a viralização dos produtos – o sonho de qualquer gestor.

Estratégia Competitiva, de Michael E. Porter

Nesta obra clássica, Porter sintetiza cinco forças competitivas que são essenciais para todo e qualquer empreendimento.

Também introduz uma das mais importantes estratégias já criadas: custo mais baixo, foco e diferenciação.

O Gestor Eficaz, de Peter Drucker

Autor de inúmeros best sellers, Drucker sintetizou um manual para gestores que desejam alcançar um desempenho fora da curva.

Para isso, parte de dois pressupostos básicos: o gestor tem como principal objetivo ser eficaz e a eficácia é algo que pode e deve ser aperfeiçoado continuamente.

Transformação Digital, de David L. Rogers

É fato que as tecnologias digitais e suas infinitas possibilidades transformaram o modo como as empresas se relacionam com os seus clientes.

É por isso que, ao longo do livro, Rogers aborda os cinco domínios da transformação digital (os clientes, a competição, os dados, a inovação e o valor).

Conclusão

Ao ler o artigo, deu para ver que a gestão empresarial é uma área recheada de possibilidades, mas que também exige qualificação profissional contínua, não é mesmo?

Então, se o seu objetivo é continuar se desenvolvendo para conquistar uma carreira bem-sucedida, conte com a AIEC para chegar lá.

A instituição oferece opções de ensino desenvolvidas para quem deseja se destacar no mercado de trabalho.

Gostou do artigo? Aproveite o espaço abaixo para deixar o seu comentário e compartilhe o conteúdo em suas redes sociais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *