Motivação no trabalho: como incentivar e alavancar os resultados em equipe

Algumas pessoas podem achar que a motivação no trabalho é um dever, quase que uma contrapartida do profissional para com a empresa.

Afinal, estamos falando do nosso emprego. Uma obrigação que, na cabeça de muitas pessoas, é como um remédio ruim que devemos tapar o nariz e engolir, não é mesmo?

Nada disso.

Se você não consegue sentir prazer na sua atividade profissional, muito menos ânimo para pular da cama e encarar uma rotina de compromissos, isso não deve ser considerado normal – ainda que essa ainda seja uma realidade comum.

Segundo pesquisa da Gallup intitulada “State of the Global Workplace”, de 2017, 62% dos brasileiros entrevistados não se sentem engajados em seus empregos.

Em consequência disso, rendem menos do que poderiam.

Como ignorar ou relativizar, então, a motivação no trabalho?

É verdade que diferentes razões podem levar a esse desfecho, nem todas de responsabilidade da empresa, mas muitas relacionadas a ela.

Alguns exemplos são a zona de conforto, a falta de perspectivas, a remuneração baixa e o ambiente pesado.

No entanto, seja o motivo que for, já passou da hora de encarar o problema.

Pela ótica da empresa, é preciso propor ações que revertam o quadro.

Pelo ponto de vista do colaborador, encontrar o que o motiva e ir em busca da realização profissional, nem que isso signifique mudar de emprego.

A tarefa pode parecer desafiadora. E, de fato, é.

Mas tenha certeza de que ela vai trazer impactos positivos para a sua vida.

Neste artigo, apresentamos um guia completo sobre a motivação no trabalho.

Não deixe de acompanhar até o final.

Boa leitura!

O que significa motivação no trabalho?

Motivação no trabalho nada mais é do que se sentir realizado com aquilo que você faz.

Significa desempenhar as suas atividades com prazer, sem a necessidade de alguém ficar cobrando para que você tome uma atitude.

É estar empolgado com um novo desafio, feliz com uma nova descoberta e satisfeito com os objetivos alcançados.

Também tem a ver com o ambiente, claro.

Afinal, é bastante difícil se manter animado em um lugar onde o clima organizacional é pesado, as lideranças não valorizam o desempenho dos colaboradores e os colegas são vistos como rivais.

A motivação e o trabalho em equipe

Exatamente para evitar a rivalidade no ambiente corporativo é que a motivação tem uma conexão muito grande com o trabalho em equipe.

E basta refletir a respeito para entender.

Para que qualquer negócio dê certo, é preciso que exista união entre os colaboradores e que os exemplos positivos estejam dentro do próprio grupo.

A competição interna só deve acontecer quando é sadia e serve de estímulo.

Assim, cada funcionário vai ser uma inspiração ao outro, contribuindo para que todos melhorem os seus resultados.

Tudo funciona como um grande círculo virtuoso, no qual uma boa ação gera outra e o efeito se sucede em cadeia.

Trata-se de uma consequência natural.

À medida em que os números começam a aparecer, os profissionais passam a se dar conta de que estão no caminho certo.

Dessa forma, se continuarem evoluindo, terão mais chances de atingir os seus objetivos.

Logo, a motivação do time não para de crescer.

Principais impactos da motivação no trabalho

Todos têm a ganhar com a motivação no trabalho.

Os impactos são extremamente positivos em todo o contexto organizacional, tanto para a empresa quanto para a carreira do profissional em si.

Entenda o porquê nos próximos tópicos.

Nas empresas

Imagine uma companhia repleta de colaboradores acomodados, que há anos desempenham as mesmas atividades, nos mesmos cargos, seguindo ordens das mesmas pessoas.

Eles não têm perspectiva de crescimento, contam com lideranças negativas e um ambiente de trabalho ruim.

Agora, nos diga: como uma empresa, diante desse cenário, vai conseguir atingir os seus objetivos? Convenhamos que é praticamente impossível.

Vamos analisar outro cenário, então: uma organização na qual o trabalho dos colaboradores seja valorizado. Onde, inclusive, existem políticas de incentivo.

Assim, toda vez que alguém bater a meta, um benefício é concedido.

Essa é uma empresa na qual os líderes estimulam a participação e dão mais liberdade e autonomia para a equipe expor suas ideias e colaborar com decisões importantes.

É um lugar onde esses mesmos gestores oferecem feedbacks constantes, a fim de apontar uma direção a ser seguida.

Por fim, é um local onde reina a empatia, a união e o foco pelos mesmos objetivos, deixando a vaidade e o individualismo de lado.

Não, não estamos falando de uma realidade mágica e improvável.

Mas se você tivesse que apostar suas fichas, em qual desses dois cenários a probabilidade de os funcionários terem mais motivação tende a ser maior?

Certamente, no segundo.

E o grande ponto aqui é que as empresas também são uma das principais beneficiadas nesse processo.

Afinal, não é segredo para ninguém que um profissional motivado produz muito mais e entrega resultados muito melhores do que outros sem qualquer engajamento.

Entre os estudos que contribuem para esse entendimento está uma pesquisa da Gallup, a qual indica que o ganho em produtividade chega a ser 12% maior quando há motivação no trabalho.

Na carreira

Todos nós temos um sonho relacionado à nossa carreira, um patamar que gostaríamos de atingir.

No entanto, sabemos que, para chegar aonde desejamos, é necessário, quase sempre, tempo, paciência, experiência e oportunidades e preparação para o momento em que elas surgirem.

Ou seja, a não ser que você seja uma exceção, existe um caminho a ser percorrido para conquistar os objetivos profissionais.

Essa trajetória quase nunca é fácil, mas pode se tornar ainda mais complicada se faltar motivação.

Afinal, ela é a força motriz que impulsiona você a ir atrás de suas metas.

Quando caímos na zona de conforto e ficamos acomodados, a tendência é que nossas carreiras permaneçam estagnadas.

É o caso daquele que gostaria de ser líder em uma grande empresa, mas tem um cargo de assistente e não faz nenhum esforço para ascender na carreira, como cursar uma especialização e investir no networking.

Por isso, se algo não vai bem em seu emprego, trate de agir rapidamente para retomar o ânimo e nunca perder de vista as suas aspirações.

Como aumentar a motivação no trabalho

Há várias maneiras de aumentar a motivação no trabalho. Até porque os colaboradores respondem de formas diferentes a determinados estímulos.

Por exemplo, um profissional pode encarar um feedback construtivo numa boa e ver nisso uma possibilidade de evolução.

Por outro lado, um outro colega pode observar apenas o conceito negativo da crítica e ficar abalado, fazendo daquele momento um reforço à sua zona de conforto.

De qualquer forma, o feedback é uma estratégia de motivação e, portanto, deve fazer parte da realidade de qualquer empresa.

Mas existem outras, também.

Desde as mais tradicionais, como aumento de salário e promoção, até as nem tão habituais, como plano de carreira, política de benefícios e programa de metas.

Isso sem falar nas dinâmicas, que favorecem ainda a integração e o trabalho em equipe – e sobre as quais vamos falar em sequência.

A escolha do formato é individual e deve levar em conta as especificidades da empresa.

O que não pode é faltar ações que incentivem a motivação no trabalho.

4 dinâmicas de motivação no trabalho

Como destacado, as dinâmicas também são ótimas ferramentas de motivação – ainda que muitas pessoas acreditem que essas atividades não passem de brincadeiras.

Não caia nessa.

Se levados a sério, esses exercícios podem trazer resultados surpreendentes àqueles que participam.

Ainda não leva fé? Então, por que você não avalia uma dessas quatro dinâmicas que listamos e as coloca em prática?

Depois nos conte como foi o resultado!

Aceita o desafio?

A rotina produtiva faz com que tenhamos de lidar com desafios o tempo todo, e é justamente sobre isso que trata esta primeira dinâmica.

Para jogar, além de um aparelho de som que ofereça um fundo musical, tudo o que você vai precisar é de uma caixa de bombons fechada e embrulhada.

Assim, os participantes não poderão ver o conteúdo da embalagem.

A dinâmica inicia com o orientador solicitando aos colaboradores a formação de um grande círculo.

Quando todos já tiverem se organizado, uma música começa a tocar, e a caixa de bombons camuflada vai passando de mão em mão.

Dentro dela, está um importante desafio, que só será descoberto ao abri-la.

Ao sinal do organizador, o som é pausado, e a pessoa que ficou com a embalagem tem de responder: aceita ou não o desafio de abrir a caixa?

Caso ela diga que não, a brincadeira continua e o ciclo se repete até que um novo participante seja desafiado.

Digamos que esse colaborador decida resolver o problema.

Então, o organizador solicita a ele que desembrulhe a caixa.

Ao fazê-lo, para surpresa de todos, a embalagem misteriosa é uma caixa de bombons, e o seu desafio, na verdade, é um prêmio pela sua coragem.

A mensagem que fica com essa dinâmica é que não importam as dificuldades pelas quais passemos. A melhor saída sempre é encará-las, pois elas podem nos trazer benefícios logo à frente.

E, mesmo caso falhemos na nossa missão, isso servirá, ao menos, de experiência para o futuro.

Quem eu levo?

Às vezes, tudo o que uma pessoa precisa para ter mais motivação no trabalho é se sentir querida pelos outros.

Na dinâmica “Quem eu levo”, a ideia é desenvolver essa empatia e mostrar como a presença de todos é importante.

Para brincar, você vai precisar de envelopes, papéis e canetas.

O jogo começa com cada integrante recebendo os três materiais e os papéis com as seguintes perguntas:

  • Qual dos seus colegas você levaria para uma ilha deserta e por quê?
  • Qual dos seus colegas você pediria ajuda para organizar uma festa e por quê?
  • Qual dos seus colegas você escolheria para apresentar um trabalho no exterior como sua dupla e por quê?

Uma observação importante: não vale repetir os nomes nas três perguntas e nem assinar o bilhete. E as respostas devem ser completamente anônimas.

Quando todos tiverem finalizado os questionários, é hora de recolher os envelopes, embaralhá-los e revelá-los.

A surpresa vai ser geral. Especialmente, pelas justificativas dadas para cada escolha.

Vamos dar as mãos?

Juntos, podemos encarar qualquer parada.

O trabalho em equipe também é uma ótima forma de motivação.

Afinal, descobrimos que podemos contar com o outro mesmo quando não estamos em um bom dia.

Com a dinâmica “vamos dar as mãos”, essa união é fortalecida.

Para brincar, o único objeto extra que você vai precisar é de um pedaço grande de cartolina.

O jogo inicia com todos em círculo e de mãos dadas.

Então, o organizador solicita que os colaboradores se soltem, sem antes decorar os colegas que estão no seu lado direito e esquerdo.

Feito isso, os participantes devem caminhar livremente pela sala até segunda ordem.

Durante o passeio, o instrutor, sorrateiramente, coloca uma cartolina no chão e, então, pede para que todos corram para cima do papel.

A cartolina, apesar de ser grande, não permite que os colaboradores fiquem confortavelmente instalados sobre ela. Assim, todos ficam um tanto “apertados”.

Na sequência, a orientação é que as pessoas deem as mãos para os mesmos colegas que estavam ao seu lado no círculo inicial.

Aqui, vale tudo para tentar cumprir a missão: esticar-se ao máximo, deitar-se e fazer posições de ioga para chegar ao colega.

Ao final, apesar das dificuldades, juntos, o grupo conseguirá cumprir o desafio.

Ilha de tesouros

O propósito é basicamente o mesmo da dinâmica anterior, mas há uma pegadinha para “vencer” o jogo e ganhar o prêmio.

Para jogar, você vai precisar de folhas de jornal e uma caixa de bombom (ou qualquer outro item que sirva como recompensa).

A preparação continua com a colocação do prêmio em uma extremidade da sala, e os participantes, no canto oposto.

Então, os colaboradores devem se dividir em duplas, e cada par precisa subir em uma folha de jornal.

O objetivo é chegar até a recompensa sem pisar no chão, apoiando-se somente no jornal, como se ele fosse uma ponte ao destino.

As folhas também não podem rasgar. Devem ficar inteiras durante toda a travessia.

Ao sinal do organizador, a brincadeira começa, e as duplas precisam usar estratégias para cumprir a missão.

No entanto, só existe uma maneira de concluir com êxito a viagem até o tesouro: chamar uma dupla para subir no seu jornal e, na sequência, pegar a folha vazia e colocá-la mais à frente – e, assim, sucessivamente.

Caso ninguém perceba o truque, encerre a dinâmica e mostre como se faz.

A seguir, converse sobre a importância do trabalho em equipe e a busca por resultados em comum.

Conclusão

Uma figura fundamental para manter os colaboradores com motivação no trabalho é, sem dúvidas, a liderança.

Afinal, são os líderes os principais responsáveis por valorizar o empenho e a participação da sua equipe.

Mais do que exemplos positivos, o papel deles é garantir todas as condições para que os funcionários possam se desenvolver, sem deixar de lado a qualidade de vida e o bem-estar, em um ambiente saudável.

Para atingir esse status, porém, um gestor precisa se capacitar. Ele deve investir em uma formação que trabalhe as competências necessárias para um bom líder.

Nesse sentido, o que você acha de se matricular no curso de Formação de Líderes da Associação Internacional de Educação Continuada – AIEC?

É a única instituição do país com ensino a distância e certificação internacional ISO 9001.

Dessa forma, é possível aliar a praticidade da faculdade à distância sem abrir mão de um ensino de qualidade.

O que você está esperando? Acesse agora mesmo o nosso site, conheça nossos cursos e encontre o diferencial que está faltando para a sua carreira deslanchar!

E se gostou do nosso artigo sobre motivação no trabalho, compartilhe com seus amigos nas suas redes sociais.

Também não se esqueça de deixar um comentário no espaço logo abaixo, dividindo a sua opinião ou dúvida sobre o tema.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *